sábado, 2 de abril de 2016

Música de Jorge Mautner inspira filme sobre Intolerância Religiosa

 Com a música Catulina, criada no final do ano passado,  o cantor, poeta e filósofo Jorge Mautner idealizou o documentário Intolerância Religiosa que será lançado na próxima quinta feira.

Mautner e São Jorge


A canção conta a triste lida de uma professora do sertão que vai aos seus alunos nos sertões do Brasil montada em seu burrinho para ensiná-los, levou Mautner a abordar a educação e a cultura das crianças como a principal fonte para a solução dos conflitos religiosos. Catulina é de autoria de Bedai, Mautner e Afonso Fontes.

O curta documentário de cerca de 40′, Intolerância Religiosa, por Jorge Mautner, não tem fins lucrativos e é a principal peça para motivar o debate sobre o tema que merece a preocupação de todos os cidadãos do mundo.

Mautner e Bedai

Mautner e Bedai, compositores de Catulina

O documentário será lançado na Academia Brasileira de Filosofia, na noite de  7/04 às 20h. No auditório da Academia, na Rua Riachuelo, 303 – Casa de Osório, Centro do Rio de Janeiro.





Assista o trailer

domingo, 8 de novembro de 2015

Faça o wifi fazer propaganda do seu estabelecimento


Aproveite o wifi do seu negócio para fazer propaganda, marketing, friar banco de dados, mailings e pesquisas. Saiba mais, via chat no what's app (21)997048109

sábado, 14 de março de 2015

Social Media: Mercado para analistas de mídias sociais continua promissor -

 Mercado para analistas de mídias sociais continua promissor

Nos últimos anos da faculdade, concluída em 2012, ouvi os primeiros murmúrios sobre um novo nicho de mercado que crescia rapidamente: profissionais das mídias sociais. Fato que já vinha sendo observado pelos mais atentos à dinâmica online, sobretudo pela nova geração de estudantes de jornalismo, ou pelos colegas de marketing e publicidade.

Dali para o mercado de trabalho me dei conta que aquele campo, pra mim ainda com um futuro promissor, se fazia presente no mercado há alguns anos. Agências e empresas já consumiam esse, até então, considerado novo profissional. Em 2010, a Deloitte do Brasil avaliou a maturidade do mercado brasileiro para o "boom das mídias sociais" e constatou que, há cinco anos, 70% das empresas pesquisadas (a análise não indica o número total) já utilizavam e/ou monitoravam mídias sociais. Mesmo aqueles que ainda não usufruíam desse canal de comunicação, 86% pretendiam investir no segmento dentro de, no máximo, 3 anos.

Redes sociais como fontes de reclamações

O monitoramento foi se tornando essencial para a manutenção da imagem de empresas conforme consumidores percebiam um canal de comunicação mais eficaz e responsiva. Cada vez mais consumidores insatisfeitos aproveitavam a visibilidade da internet e das redes sociais para expor ao mundo a chateação com a marca e/ou produto adquirido. Enquanto isso, profissionais de agências digitais visionavam o mercado e trabalhavam para mostrar a importância do monitoramento das redes sociais a seus clientes. Paralelamente, executivos temiam uma possível repercussão rápida de comentários negativos sobre a marca nas redes sociais.O mercado se expandia.

Para a agência de comunicação paulista Media Target, o monitoramento das mídias sociais é fundamental para o faturamento da empresa. "Hoje ainda impera a análise por marca produto e setor de atuação. Outros tipos de projetos e análises são mais pontuais e dependem de caso a caso", relata o diretor da agência, Marcos Faria. As redes sociais e os perfis online das empresas passaram a ser uma espécie de SAC. Porém, além de se tornarem um canal de comunicação entre consumidor e fornecedor, elas também passaram a ser um grande teto de vidro para a concorrência. Mais um alerta aos executivos mais atrasados.

Em 2013, o monitoramento das redes sociais já representava 10% do faturamento das agências digitais, de acordo com o 5º Censo Digital realizado pela Abradi. "Hoje, o trabalho com redes sociais tem crescido mais de dois dígitos ao ano e tem se tornado a tendência dentro de clientes que também realizam outros trabalhos de análise, como o de mídia convencional e publicidades", conta Faria. Não é a toa que políticos e partidos perceberam a necessidade de investir nesse profissional, como vimos durante as últimas eleições.

Perfil do profissional de mídias sociais

Com a crescente demanda também aumenta o espaço para esses profissionais dentro das agências digitais. A Trampos em parceria com a Alma Beta realizou, no ano passado, uma pesquisa para levantar um "raio x dos profissionais de mídias sociais". De 1037 entrevistados, um quarto (26%) atua em agências digitais ou especializadas em mídias sociais. Na Media Target, dos 22 colaboradores, 12 são analistas de mídias sociais.

Apesar do aparente "oba oba" do mercado, a capacitação é essencial para o sucesso do profissional. Em uma antiga entrevista cedida ao jornal carioca O Globo, o publicitário Eduardo Barbato ressaltou que "não basta ser um nativo de web" para ser um bom analista. O conhecimento em marketing é essencial para efetuar um bom trabalho. A alta escolaridade desses profissionais também se destaca na pesquisa da Trampos e da Alma Beta: 43% fizeram algum tipo de treinamento, curso ou workshop especializado.

"O trabalho é segmentado e depende da rotina do cliente e do contrato realizado. Em suma, o profissional ao chegar revisa os posts publicados no dia anterior até sua chegada e gera alertas de negatividade se assim necessitar ou relatórios diários."

Marcos Faria, Media Target

A utilização de ferramentas digitais de marketing são essenciais no cotidiano das agências.O Brandviewer é umas das seis ferramentas utilizadas pela Media Target no cotidiano da agência. Apesar de a tecnologia estar a favor desses profissionais, a análise é imprescindível para alcançar os resultados esperados pelo cliente. Reuniões e mais reuniões fazem parte dessa rotina até a conclusão do contrato. Mensurar, avaliar e criar estratégias são ações básicas de um analista no dia a dia de serviço.

Apesar do boom dos últimos anos e o surgimento de diversas empresas focadas em marketing digital, o mercado continua promissor. O relatório 2015 State of Marketing, divulgado pela Salesforce no último mês, mostra que 38% dos profissionais de marketing planejam transferir o budget da publicidade tradicional para os canais digitais. No topo das áreas que devem receber mais investimentos estão: publicidade de mídia social, social media marketing e engajamento de mídia social. A internet e as redes sociais não param de se reinventar, dessa forma, os profissionais desse ramo precisam acompanhar o ritmo das mudanças online. Atualizado, não faltará oportunidade para esse profissional nos próximos anos.

Sobre o Monitoramento de Mídias Sociais

O Brandviewer, uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais. Com ele é possível descobrir o que falam da sua marca, quem são os seus defensores e agressores, entender as necessidades dos seus clientes, verificar como está a sua presença digital, fazer CRM Social, interagir com o seu público,  estudar seus concorrentes, aprender com o seu mercado e obter insights para melhorar o seu negócio. O monitoramento de mídias sociais pode e deve ser utilizado por marcas,empresas, instituições, autarquias, políticos e celebridades.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Olhar Digital: Gerente de mídias sociais pode ganhar até R$ 15 mil no Brasil


O consultor de carreira Renato Waberski, da Thomas Case, afirma que as empresas perceberam a importância das redes sociais para seus negócios, e estão em busca de profissionais qualificados para monitorar, criar estratégias e gerar conteúdos em sites como Facebook, Google+, Twitter, entre outros.
"Percebo que todas as empresas mais atualizadas e agressivas querem formar equipes de mídias sociais. Um gerente [experiente, graduado e com curso de especialização] ganha entre R$ 10 a R$ 15 mil, enquanto um analista [graduado e com curso de especialização] pode ganhar até R$ 6 mil", comenta Waberski.
Apesar da atividade parecer simples, especialmente aos jovens familiarizados com as redes sociais, o consultor explica que os empregadores querem pessoas com diversas competências. Não basta ter perfil ativo nas redes e gostar de internet. A lista de competências é extensa.
O coordenador do curso de mídias sociais da Faap, Eric Messa, lembra alguns requisitos essenciais: conhecer a teoria da comunicação, o processo de comunicação nas redes, o comportamento do consumidor, saber gerenciar crises, dominar a cultura digital, ter criatividade, espírito de liderança, bom texto e falar inglês. Também é preciso saber coletar dados das redes e analisar as informações compiladas.
"O BI (Business Inteligence) deve ganhar destaque neste ano. A ferramenta monitora tudo o que é falado nas redes para prever tendências e criar estratégias de comunicações efetivas", diz Messa. "Domínio do Inside Facebook, Google Analytics e outras ferramentas são essenciais. Porém, mais que isso, as companhias precisam de pessoas que saibam criar planos de ação", completou.
A formação do profissional passeia entre publicidade, jornalismo, marketing e relações públicas, mas não há restrição de curso. Os recrutadores, no entanto, dão preferência aos candidatos que possuem base teórica em comunicação.

Algumas universidades já enxergaram oportunidades nesta área e estão oferecendo pós-graduação e extensão em mídias sociais. Os cursos variam entre R$ 500 e R$ 2 mil.
Dica
Certifique-se de quantificar o impacto das redes sociais durante sua última experiência profissional. Seu currículo ou carta de apresentação devem fornecer dados específicos sobre sua participação nesses sites, como aumento de tráfego de usuário, comentários e compartilhamentos.

quinta-feira, 5 de março de 2015

Batismo digital para cerca de 300 mulheres

A Women & Mozilla (WoMoz) Brasil – comunidade composta por entusiastas da web aberta e suportada pela Mozilla para promover o envolvimento de mulheres no mundo da tecnologia – está realizando até sexta-feira (6) seu primeiro evento no Brasil, na cidade de Gaurama, no Rio Grande do Sul. Estão sendo realizadas diversas oficinas de inclusão digital para a população rural, com expectativa de reunir 300 mulheres e realizar um "batizado digital" com elas no dia 8, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. A cidade tem aproximadamente cinco mil habitantes, em sua maior parte moradores da zona rural. Recentemente, computadores e a internet se tornaram acessíveis na região, mas por receio ou medo o uso da tecnologia fica restrito aos jovens da cidade. Para mudar esse cenário, a WoMoz Brasil está promovendo dez oficinais para ensinar como ligar o computador; o que é um navegador; como navegar pela internet; e entender como uma página web funciona utilizando o X-Ray Goggles. "Na WoMoz defendemos que a internet deve ser aberta, livre e acessível tanto para homens quanto para mulheres, porém esse universo ainda é predominantemente masculino. Já existe um movimento de inclusão gradual e queremos criar ainda mais condições para que as mulheres fiquem cada vez mais confortáveis nesse ambiente", afirma Melissa Devens, voluntária que está liderando a WoMoz no Brasil. "As mulheres ficam mais tempo em casa e normalmente são mais engajadas no processo de educação, por isso decidimos começar nosso batizado por elas. Convidamos mais de 300 agricultoras que nunca tiveram acesso a um computador e pretendemos que, no futuro, elas se tornem criadoras para web".

Mulheres protegidas na era digital



A evolução da tecnologia e as inovações dos últimos anos têm dado espaço para que as mulheres de hoje se encontrem mais conectadas do que nunca. Seja por questões profissionais ou pessoais, a internet e a comunicação digital exercem um papel fundamental na vida cotidiana das mulheres.

Segundo um estudo realizado pela Kaspersky Lab e pela B2B International, existe uma diferença de gênero no número de infecções devido a ciberataques. Em 2014, 47% dos homens entrevistados admitiu ter sofrido alguma perda financeira devido a uma infecção de malware em comparação ao número de 39% das mulheres. Isto pode ser por conta das mulheres estarem um pouco mais preocupadas com a segurança de suas transações financeiras do que com outras atividades que tomam seu tempo online. Contudo, 64% das mulheres contra 59% dos homens revelaram se sentir vulneráveis ao realizar uma transação financeira online.

"Às vezes, as mulheres podem ser mais cautelosas nos sites que visitam ou mais cuidadosas ao abrir um link. No entanto, é importante que ambos os sexos saibam o que é a engenharia social, como ela funciona e os métodos que os cibercriminosos usam para enganar os usuários, para evitar se tornarem vítimas. Esse conhecimento, juntamente com boas práticas na utilização da Internet e com a implementação de uma solução para proteção a ameaças on-line é a melhor maneira para se defender dos cibercriminosos ", disse Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe de Pesquisa e Análise para a América Latina da Kaspersky Lab.

No embalo de Dia Internacional da Mulher, que acontece no dia 8 de março, a Kaspersky Lab oferece as seguintes dicas para ajudá-las a navegar na Internet de forma segura e se sentirem um pouco mais protegidos nesta era digital:
 
  1. Manter a segurança em redes sociais: As redes sociais são a plataforma perfeita para se manter em contato com pessoas ao redor do mundo, mas esses sites também são populares entre os cibercriminosos, que muitas vezes os usam para coletar informações sobre possíveis vítimas. De acordo com uma pesquisa da Kaspersky Lab e da B2B International, 18% dos usuários acreditam que revelam mais informações do que deveriam em redes sociais, e 15% compartilha informações online que não compartilharia na vida real. Recomendamos usar o bom senso e evitar postar informações confidenciais nestas redes. Use os controles para configurar quem pode acessar as informações no seu perfil e evite clicar em links que são compartilhados entre seus contatos de notícias surpreendentes porque eles são geralmente mal intencionados.
 
  1. Cuidado com ofertas e descontos: Se você quer comprar um jeans de marca, sapatos ou um pacote de férias, você vai sempre encontrar grandes pechinchas online. Infelizmente, os cibercriminosos também exploraram estas oportunidades para tentar enganar os usuários à procura de ofertas. Por isso, é importante ser cauteloso quando encontrar itens de primeira linha a preços incríveis. Em muitos casos, estas ofertas podem vir de cibercriminosos que tentam atrair os consumidores até sites infectados, que não vão enviar os produtos depois da compra.
 
  1. Use senhas fortes: As senhas proporcionam uma proteção eficaz somente se possuírem a complexidade necessária e se forem conhecidas apenas pelo usuário do computador, ou titular da conta do Facebook ou e-mail. "É importante definir senhas fortes, que sejam complexas e não compostas por nomes, datas, nem qualquer outra informação pessoal que seja fácil de acertar", disse Bestuzhev. O uso de soluções como o Kaspersky Password Manager permite que o usuário só tenha que lembrar de uma senha mestra para todas as suas contas online e pode até mesmo ajudá-lo a gerar senhas complexas.
 
  1. Proteja o seu dispositivo móvel: Embora a tendência crescente de dispositivos móveis permita o acesso à Internet como uma brincadeira de criança, smartphones e tablets também estão em risco. Além disso, em nosso estudo, 32% das pessoas que compartilham seus computadores, celulares e tablets não tomam nenhuma medida de segurança, porque "eles não veem nenhum risco." Apenas 33% dos usuários fazem backup de todos os dados importantes antes de compartilhar o telefone ou tablet com outra pessoa, e 22% não salva todas as informações importantes destes dispositivos. Especialistas em segurança recomendam a instalação de uma proteção robusta como o Kaspersky Internet Security 2015 multidispositivos em todos os dispositivos com acesso à Internet para impedir o acesso às informações pessoais em seu telefone ou tablet e controlar o tipo de aplicações ou programas que os outros podem instalar sem o seu consentimento.
 
  1. Controle o acesso à Internet das crianças: É comum que nossos dispositivos tenham aplicativos instalados para as crianças jogarem, assistirem a filmes ou ouvirem música. No entanto, é importante ter cuidado com o tipo de aplicativos que são instalados em tablets e smartphones pois eles também podem ter malwares ou pedir permissões que dão acesso direto às informações armazenadas em nossos dispositivos. Além disso, o acesso indesejado de crianças ao conteúdo ou publicações de informações pessoais de adultos, também são aspectos que consideramos. A ferramenta de Controle Parental incluída no Kaspersky Internet Security 2015 permite fixar limites de navegação e acesso ao conteúdo online para manter seus filos e dispositivos protegidos contra os perigos da internet.

Para ter uma versão de teste grátis do Kaspersky Internet Security multidispositivos 2015 por 30 dias, por favor visite http://brazil.kaspersky.com/downloads/versoes-de-teste/internet-security.
  

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

MBA em Gestão de Mídias Sociais, na FACHA

Os cursos de pós-graduação se tornaram uma necessidade em um mercado muito competitivo. Qualifique o seu currículo, especializando-se no tem do momento, Mídias Sociais. Mais informaçoes no site da FACHA http://facha.edu.br/pos/cursos/marketing-e-comunicacao/mba-em-gestao-de-midias-sociais-para-profissionais-liberais
Inscrições abertas AQUI

Stickers sobre "Amor" foram os mais usados em 2014

Stickers de amor foram os mais usados no Viber em 2014
Os stickers que representam o amor estão entre os mais enviados em 16 países. O Brasil aparece em 3° lugar. Ao todo, foram mais de 22 bilhões de stickers enviados em 2014

São Paulo, 23 de fevereiro de 2015 – O Viber, plataforma líder de comunicação que oferece mensagens, conversas em grupos, ligações de voz e vídeo gratuitos com qualidade HD, analisou os dados de uso dos seus stickers pelos mais de 516 milhões de usuários no mundo em um período de um ano. A pesquisa foi feita para determinar quais foram os stickers mais populares do aplicativo em 2014 e descobrir, a partir destes, quais países os usam com mais frequência.
Do ponto de vista global, o amor definitivamente está no ar. Segundo a pesquisa, o sticker mais enviado pelos usuários do Viber em todo o mundo, no ano passado, foi o do casal se beijando.
O Brasil, que tem 23 milhões de usuários, aparece em terceiro lugar da lista de países que mais usam os stickers para traduzir o amor. No top 10 de stickers enviados pelos brasileiros, metade demonstra amor. O favorito dos usuários é a imagem de duas mãos fazendo o formato de um coração. Na mesma posição, encontramos Índia, Japão e Alemanha, que também demonstram seus sentimentos com a figura de um casal se beijando.
Alcançando o segundo lugar, temos Itália e França, com a imagem de beijo e mais outros seis com temas amorosos. A medalha de ouro foi para a Espanha, que alcançou o primeiro lugar com sete stickers relacionados ao amor e o mais famoso por lá, o Besote, que significa grande beijo.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

MR Seis dicas para atender melhor o seu cliente


"Hoje, o meu único papel é atender clientes. Sem cliente eu não vivo. Sem cliente não tem carro, não tem motorista, não tem reunião, não tem nada, não tem nem acionista", afirmou Luiza Helena Trajano, dona do Magazine Luiza, durante a 12ª edição do Congresso Nacional das Relações Empresa-Cliente (Conarec) nesta terça-feira (09/09).

Fonte | Época NEGÓCIOS - notícias em Empresa

 Durante o evento, a empresária e outros três CEOs, Marcio Kumruian, da Netshoes; Rômulo de Mello Dias, da Cielo; e Philipp Schiemer, da Mercedes-Benz, deram dicas para ter um bom relacionamento com o cliente. Lá vão elas:

Motive a equipe
Ter os principais executivos da empresa preocupados com a satisfação do consumidor, de acordo com os presidentes, é fundamental. Luiza Trajano afirma responder os e-mails mais graves pessoalmente. "Se o caso for muito grave, eu ainda digo: 'Eu estou me sentindo muito incompetente, eu vou até me demitir porque essa área é o meu forte e sou eu quem toma conta'. O cliente responde: 'Não faça isso, Luiza, você é ótima'".  Para deixar o time atento à clientela, é necessário estimular os funcionários para que eles estejam comprometidos e para que a cultura da empresa seja difundida. "É um esforço diário", afirma.

Mapeie todas as reclamações feitas em todas as plataformas
Facebook, Twitter, Google+, Instagram, ... Estar onde o cliente está é importante – até mesmo em plataformas menos convencionais, como o Reclame Aqui. "Hoje, o cliente escolhe o canal, a hora e o dia em que quer falar com a empresa. É importante estar presente em todos os canais. A nossa responsabilidade é dar uma resposta rápida para todas essas pessoas, mesmo quando elas elogiam o produto", diz Schiemer, da Mercedes-Benz. Marcio Kumruian, da Netshoes, afirma que a marca deve lançar em breve um WhatApp para que o cliente possa conversar com os atendentes da empresa. Outra dica é, além de mapear, claro, faça de tudo para resolver as queixas.

Perca tempo com inovações e não com reclamações
A Netshoes e a Cielo disseram fazer de tudo para que os clientes não precisem ligar para as empresas. "Nós fazemos um grande trabalho para que o cliente fique satisfeito com a experiência da compra desde a entrada no nosso site", afirmou Kumruian.  Assim, de acordo com ele, é possível usar o tempo para conquistar novos tipos de consumidores.

Escute o que você não quer ouvir
Ao subir para cargos de gerência, profissionais devem estar atentos às informações passadas por seus funcionários. "Normalmente, as pessoas não gostam de reportar para o presidente ou para os diretores aquilo que dá problema", afirma Rômulo Dias, da Cielo. Para Luiza, uma dica para crescer dentro das empresas, é ver como o cliente está sendo atendido pessoalmente e procurar o que os funcionários não querem lhe dizer.

Tenha uma central de atendimento própria
Para os executivos, terceirizar a central de atendimento ao consumidor é ruim, pois desestimula os funcionários e deixam os novos processos e ideias mais lentos. Com uma central própria, é possível fazer um plano de carreira para a equipe, que deve estar motivada e comprometida para melhor atender os consumidores. "Toda a equipe precisa ficar incomodada quando o cliente reclamar da empresa. Mas não irritada com o cliente, irritada com a empresa, que errou ou que não resolveu o problema de forma adequada", afirmou Dias.

Seja otimista
Seja um otimista responsável, ou seja, nunca seja pessimista, mas não seja otimista demais a ponto de prejudicar a empresa. "Eu tenho falado uma coisa como um padre dentro da Cielo: 'Ninguém segue o pessimista'. Tem empresa que se dá muito melhor que as outras e são do mesmo segmento e isso não tem a ver com o governo, tem a ver com gente, tem a ver com liderança".



terça-feira, 9 de setembro de 2014

O maior projeto de computação cognitiva da história já fala português


O maior projeto de computação cognitiva da história já fala português
O maior projeto de computação cognitiva da história já fala português
POR PYR MARCONDES
pmarcondes@grupomm.com.br


Sabíamos que ele estava a caminho, mas as aulas de Português precisavam terminar. Terminaram. E Watson, a mais avançada máquina de pensar feita pelo homem, mais especificamente, pelo pessoal da IBM, para variar, passou com louvor nos testes. Palavrões ele talvez aprimore depois de desembarcar no Brasil, no último trimestre deste ano.


A excitação entre os envolvidos nessa chegada histórica na sede da corporação em São Paulo é mais que evidente. É contagiante. Tudo é novo. Nunca houve um lançamento assim aqui. Também, nunca um Watson antes.


segunda-feira, 30 de junho de 2014

Justiça julga válida demissão com justa causa por ‘curtida’ no Facebook


Justiça julga válida demissão com justa causa por 'curtida' no Facebook
Uma concessionária de motos do interior de São Paulo demitiu por justa causa um de seus funcionários porque ele "curtiu" no Facebook os comentários ofensivos à empresa e a uma das sócias da companhia. O rapaz acionou a Justiça e, na segunda-feira (22), o Tribunal Regional Trabalhista (TRT) considerou válida a decisão da empresa.

Versão gigante do ícone Curtir, popularizado pelo Facebook, é exibido na entrada da nova sede da rede social em Menlo Park, na Califórnia (Foto: Robert Galbraith/Reuters)Versão gigante do ícone Curtir, popularizado pelo Facebook, é exibido na entrada da nova sede da rede social em Menlo Park, na Califórnia (Foto: Robert Galbraith/Reuters)

Após passar pela 1ª Vara do Trabalho de Jundiaí, primeira instância da Justiça do Trabalho, a ação chegou ao TRT da 15ª Região. A juíza relatora Patrícia Glugovskis Penna Martins considerou que "o fato é grave, posto que se sabe o alcance das redes sociais". "Isso sem contar que o recorrente [o rapaz demitido] confirma que outros funcionários da empresa também 'eram seus amigos' no Facebook", escreveu a magistrada em seu voto.
O caso ocorreu em Jundiaí (SP) em outubro de 2012. Então recepcionista da concessionária de motocicletas BM Motos, Jonathan Pires Vidal da Rocha "curtiu" a publicação de um ex-funcionário da loja. As mensagens ofendiam não só a empresa mas também uma de suas proprietárias –após pedido da companhia, o Facebook apagou a página.
Rocha ainda comentou a publicação. "Você é louco Cara! Mano, vc é louco!", escreveu o rapaz, em uma sexta-feira. Na segunda-feira seguinte, depois de descobrir a atividade do funcionário na rede social, a empresa demitiu o rapaz por justa causa.
"A justa causa decorre do fato de que na rede social Facebook você compactuou com as publicações gravemente ofensivas à honra, integridade e moral da empresa BM Motos, de seus funcionários e da sócia, Dra. Daniela Magalhães, as quais foram inseridas pelo ex-funcionário Felipe Constantino", afirmou a companhia ao funcionário para justificar a demissão.
Em depoimento, Rocha afirmou que publicou os comentários para desencorajar o ex-funcionário. "Pela forma escrita, parecem muito mais elogios", rebateu a juíza relatora.
http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/06/justica-julga-valida-demissao-com-justa-causa-por-curtida-no-facebook.html
"Efetivamente as ofensas foram escritas pelo ex-funcionário [Constantino], no entanto, todas foram 'curtidas' pelo recorrente [Rocha], com respostas cheias de onomatopeias que indicam gritos e risos", afirmou a juíza, em seu voto.
Ela, porém, concordou com o argumento da companhia de que Rocha endossou a postagem ofensiva ao "curtir" a publicação. "A liberdade de expressão não permite ao empregado travar conversas públicas em rede social ofendendo a sócia proprietária da empresa, o que prejudicou de forma definitiva a continuidade de seu pacto laboral, mormente quando se constata que seu contrato de trabalho perdurado por pouco mais de 4 meses", escreveu.
Rocha ainda foi condenado a pagar uma multa R$ 17 mil por litigância de má fé –quando uma das partes tenta atrapalhar o andamento do processo. A pena, porém, foi retirada pela juíza do TRT. A defesa de Rocha afirma que não recorrerá da decisão, pois o prazo já venceu. Até a publicação dessa reportagem, os advogados da BM Motos não retornaram as ligações do G1.

sábado, 28 de junho de 2014

Mídias Sociais I na Elerj



Suzana, Marcelo, Alice, Luiz Fernando, Fernanda, Fernando, Rogério e Leonardo

As principais características e aplicações das mídias sociais como ferramenta de comunicação foram apresentadas durante as 18h/aula do curso de Mídias Sociais I (Para Iniciantes), encerrado nesta sexta-feira (13/6) no Laboratório de Informática da Escola do Legislativo do Estado do Rio de Janeiro. 


Após abordagem sobre Internet e Redes Sociais (Blogs, G+, Twitter, Facebook, Youtube, WhatsApp e Linkedin), entre outros temas, os alunos apresentaram ao professor Fernando Flessati os seus projetos finais, com a promessa de que serão colocados em prática. 



Ao término houve a entrega dos Certificados de Participação. Também concluíram o curso Ronnie Lima e Rivia Cunha . [por Hélio Araújo]
Maarcelo Trintin


Leonard
Fernanda Guerra, certificada

Luiz Fernando, certificado

Com Suzana

Alíce Tavares ceertificada

Com Rogério Coellho, homenagem e certificado

Prof homenageado
















quinta-feira, 27 de março de 2014

ICANN esclarece: não é a polícia da Internet




ICANN esclarece: não é a polícia da Internet

http://idgnow.com.br/blog/circuito/2014/03/27/icann-esclarece-nao-e-a-policia-da-internetPublicada em 27/03/2014 9:52

Recentemente, o governo dos Estados Unidos anunciou sua intenção de transferir a custódia e a supervisão das funções da Autoridade para Atribuição de Números da Internet (IANA) à comunidade multisetorial global e  solicitou à Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) que liderasse o processo de transição.

Como administradora da IANA desde 1998, a ICANN tem sido responsável pela coordenação de identificadores únicos de Internet: nomes, números IP e parâmetros de protocolo, mediante contrato com o Departamento de Comércio (DOC) dos Estados Unidos. Por isso, nada mais natural que coubesse a ela coordenar a transição. Que, a bem da verdade, tem sido planejada desde 1997. O passo dado agora era esperado há muitos anos, para que se conquistasse a desejada globalização da IANA.

Mas, diante das muitas pressões que o governo norte-americano vem sofrendo desde a revelação das práticas de espionagem eletrônica da Agência Nacional de Segurança (NSA), muitos, em todo o mundo, viram no anúncio uma vitória da comunidade internacional em relação ao suposto controle da Internet exercido pelos Estados Unidos.

Por conta disso, a ICANN se viu forçada a produzir uma série de conteúdos para esclarecer, "uma série de argumentações e informações inexatas" veiculadas pela imprensa.

A saber:

1 – A administração multisetorial da IANA não a afetará a maneira como a Internet funciona.
A ICANN vai continuar a administrar a IANA em coordenação e cooperação com o IETF e os RIR.

"Nos últimos 16 anos a ICANN tem cumprido as funções da IANNA com autonomia crescente, demonstrando no processo tanto a excelência quanto a maturidade operacional da organização, como o ilustra o Estudo de Satisfação com as Funções da IANNA, de dezembro de 2013."

2 – Não há uma data marcada para finalizar a transição da supervisão feita pelo Governo dos Estados Unidos
Dependendo do progresso deste processo e do fluxo da consulta à comunidade, a ICANN e a comunidade internacional podem estar prontas para completar a transição antes da renovação do contrato da ICANN com o governo dos Estados Unidos, em setembro de 2015.

3 – A ICANN é perfeitamente capaz de continuar financiando e desempenhando as funções da IANA, sem o apoio dos Estados Unidos
Segundo a ICANN, o contrato com o governo dos Estados Unidos é um contrato com "custo zero".

"Isto significa que a ICANN tem fornecido este serviço em benefício da comunidade durante dezesseis anos sem compensação alguma de parte do governo dos Estados Unidos. A estabilidade financeira e os balanços da ICANN estão à disposição do público."

4 – O anúncio NÃO é uma decisão final para entregar o controle da Internet.
O que o governo dos Estados Unidos fez foi pedir à comunidade internacional que, junto com a ICANN, desenvolvesse uma proposta para transferir a custódia e a supervisão da IANA. "O governo não estava anunciando uma nova lei, muito pelo contrário, estava iniciando um debate inclusivo e global. O governo também fixou limites claros para esse debate, que incluem uma declaração muito clara no sentido de que não repassaria o controle dessas funções a nenhuma organização governamental ou intergovernamental", escreve Fadi Chehadé, CEO e presidente da ICANN.

A intenção da ICANN, segundo ele, é liderar um diálogo transparente entre os governos, o setor privado e a sociedade civil para determinar o processo de transição e estabelecer um órgão de regência para prestar contas em nível mundial. Este processo garante que cada uma das diversas partes interessadas da Internet tenha uma voz na sua governança.

Além disso, o governo dos Estados Unidos deixou claro que a proposta de transição deverá tratar os quatro princípios seguintes:
a – Apoiar e melhorar o modelo multisetorial;
b – Manter a segurança, estabilidade e flexibilidade do DNS da Internet;
c- Satisfazer as necessidades e a expectativa dos clientes e parceiros globais respeito dos serviços da IANA;
d – Manter a Internet uma plataforma aberta.

"Em outras palavras, toda proposta que possa afetar a Internet aberta e sua governança multisetorial será rejeitada", escreve Chehadé.

5 – O anúncio NÃO vai levar à divisão da Internet em peças menores e menos flexíveis do ponto de vista técnico.
Segundo a ICANN, não será imposta "uma Cortina de Ferro digital" em decorrência deste anúncio. Uma matéria de opinião em The Wall Street Journal declarou que, ao retirar-se, os Estados Unidos iria dividir "425.000 rotas globais da Internet em peças menos flexíveis do ponto de vista técnico". "É exatamente o contrário", escreve Chehadé.

"O anúncio de 14 de março é um passo importante para preservar e proteger a Internet aberta. A supervisão dos Estados Unidos não vai ser usurpada por governos autoritários desejosos de censurar a livre expressão, nem por nenhuma outra instituição intergovernamental. Em lugar disso, um órgão multisetorial responsável do ponto de vista global vai garantir que a Internet continue promovendo a livre troca de ideias, impulsionando a inovação e estimulando o desenvolvimento econômico", diz o texto publicado no blog da ICANN.

6 – A ICANN NÃO tem função de policiamento no ecossistema da Internet.
"Vou ser claro: a ICANN coordena um componente técnico do ecossistema da Internet: os nomes, números e parâmetros de protocolo da Internet. A ICANN não controla conteúdos na Internet. A ICANN não tem uma função relacionada ao conteúdo da Internet e não pode decretar a censura da Internet", esclarece Chehadé.

Na opinião dele, os componentes técnicos da Internet têm funcionado bem durante aproximadamente duas décadas em um processo multi-etorial, sob custódia e supervisão do governo dos Estados Unidos. "A ICANN tem administrado bem as Funções da IANA com uma autonomia crescente nos últimos 16 anos e este anúncio não vai alterar seu compromisso com a segurança e a estabilidade do Sistema de Nomes de Domínio da Internet".

7 – O anúncio NÃO vai afetar os bilhões de pessoas que usam a Internet diariamente.
De acordo com Chehadé, algumas pessoas têm especulado através da mídia de que o anúncio dos Estados Unidos "será uma ameaça para a Internet aberta" para os usuários cotidianos.

"Essa preocupação não tem sustento real. A transição da supervisão e a custódia não vai afetar a funcionalidade da Internet. A coordenação das funções da IANA vai continuar inalterada. O anúncio reforça os princípios de que a Internet pertence a todos e de que deve prestar contas a todos", esclarece.

8 – Os resultados deste processo NÃO vão afetar o contrato da ICANN com a Verisign para operar o registro .COM.
Segundo a ICANN, Esse é um contrato separado entre elas. Para a Verisign, a única alteração potencial vai ser a manutenção e publicação da Zona Raiz, função que a Verisign tem preenchido como serviço para a comunidade durante três décadas.

Os materiais divulgados pela ICANN reafirmam também que, em vez de politizar o debate sobre a decisão do governo dos Estados Unidos de fazer a transição da custódia e supervisão das funções técnicas da Internet, a entidade pretende investir mais energia na promoção do debate sobre como ampliar a participação da comunidade internacional no desenvolvimento de um processo de transição eficaz, que continue a garantir uma Internet aberta que pertence a todos.


sexta-feira, 14 de março de 2014

Carnaval: opinião do consumidor nas redes sociais

PESQUISA APONTA QUE QUASE METADE DOS FOLIÕES CONSIDERARAM CARO PASSAR O CARNAVAL NO RIO DE JANEIRO


Levantamento realizado pelo PiniOn indica que entre as pessoas que optaram por viajar, 37% se hospedaram na casa de parentes e 16% na casa de amigos por considerarem altos os preços de hospedagem 

Durante um dos maiores eventos do Brasil, o PiniOn, plataforma que combina tecnologia mobile e o crowdsourcing e capta a opinião a respeito de marcas e temas diversos, realizou uma pesquisa para saber de que forma seus usuários estavam aproveitando o feriado. Ao todo, foram 1.800 respondentes, entre homens e mulheres. A pesquisa mostrou que 80% dos entrevistados ficaram em suas próprias cidades e apenas 20% optaram por viajar. Entre os destinos mais buscados, 66% estiveram na região Sudeste, e São Paulo foi a cidade mais buscada.

Aparentemente, esta época do ano não é mesmo de muitos gastos, a maioria dos Opiners, 80%, pretendiam gastar até R$ 500 durante os dias de folia. Entre as pessoas que viajaram no Carnaval, 37% relataram que estavam hospedados na casa de parentes e 16% na casa de amigos. Desses entrevistados, 46% afirmaram que os preços de hospedagem nas cidades onde estavam eram caros e 44% das pessoas que passaram o Carnaval no Rio de Janeiro consideram os preços muito altos.

Ao serem questionados quanto ao que pretendiam fazer durante o Carnaval, 72% optaram por descansar, 22% preferiram se divertirem em festas temáticas, 15% colocaram os estudos em dia e apenas 11% trabalharam. Entre as pessoas que optaram por estarem fora de suas cidades, descansar ainda era o mais buscado para 66% dos Opiners. Por outro lado, o Carnaval ainda é considerado uma data para solteiros que estão buscando se divertir e encarar um namoro sem compromisso durante o período festivo, porém, 55% dos usuários afirmaram terem ficado com seus respectivos na data.

De acordo com 52% dos respondentes não pretendiam participar de nenhuma atração de carnaval na cidade onde estavam e 30% consideravam que frequentariam blocos de rua.

A pesquisa também buscou saber sobre a estruturação das cidades onde seus  Opiners estavam passando o feriado. Para aqueles que estavam em cidades do estado da Bahia, 52% consideraram bem estruturada, e 73% passariam o Carnaval nas mesmas cidades deste estado no próximo ano. 

 

Sobre o PiniOn

Fundado em janeiro de 2013, o PiniOn é uma plataforma que combina tecnologia mobile e o crowdsourcing, que capta a opinião a respeito de marcas e temas diversos bem como insights criativos de seus usuários durante o momento de consumo.  Por meio do aplicativo mobile, as empresas oferecem aos usuários missões que geram recompensas aos participantes, de acordo com a complexidade de cada atividade. O PiniOn possibilita que os tomadores de decisão das companhias possam ter uma visão dinâmica e continua da opinião dos consumidores e seus públicos, e fornece dados para as empresas que podem ser decisivos na elaboração de suas estratégias . A plataforma já conta com 50 mil usuários cadastrados e mais de 300 mil respostas aprovadas.


segunda-feira, 10 de março de 2014

Os sete erros ao se analisar redes sociais | Nepôsts - Rascunhos Compartilhados

Os sete erros ao se analisar redes sociais

por Carlos Nepomuceno


Assim, as redes sociais, regidas pelo digital, não são uma geradora de uma piora das relações humanas, mas uma tentativa de resgate!

Apenas uma síntese:

JOGOS-7-ERROS-DIFÍCIL-NO-QUARTO

1) toda rede humana é social;

2) assim, para sermos menos imprecisos é necessário falar em redes sociais regidas por ambientes cognitivos distintos;

3) estamos saindo da rede social, regida pelo aparato cognitivo analógico-escrito-eletrônico para uma rede social regida pelo novo aparato digital;

4) o que podemos dizer, assim, que temos redes sociais mais e mais condicionadas, influenciadas e se expressando, através de tecnologias cognitivas digitais;

5) as redes sociais mais condicionadas pelo aparato tecnológico cognitivo digital tem o poder de dar canais aos seus cidadãos;

6) ninguém tem uma conta no Facebook, mas um canal, com o qual se expressa e cria um ambiente de troca para entrar em contato com outros canais de expressão de outros cidadãos, no qual vai se exercendo a capacidade de diálogo, de compreensão e troca horizontal, antes limitada pelo aparato que foi ficando mais e mais verticalizado pelo tempo de uso;

7) as redes sociais regidas pelo digital, assim, são mais abertas, meritocráticas, descentralizadas do que as redes sociais do aparato cognitivo analógico-escrito-eletrônico e vêm criar um novo ambiente de inovação para criar uma nova governança da espécie mais compatível com a nova complexidade demográfica atual, a partir do salto de um para a 7 bilhões de habitantes.

Assim, as redes sociais, regidas pelo digital, não são uma geradora de piora das relações humanas, mas uma tentativa de resgate por mais que todos os distúrbios emocionais-cognitivos do ambiente passado, frutos dos efeitos de uma Ditadura Cognitiva, possam ser sentidos nesse início de uso!

É isso, que dizes?

    


sábado, 18 de janeiro de 2014

Kusama imperdível | Revista Agito Rio


Kusama imperdível

IMG_2562Vai até o dia 21, a excelente retrospectiva de Yayoi Kusama, expoente da geração da cultura pop dos anos 60, pela primeira vez levada na América Latina. A japinha Y Kasuma dedicou a sua vida a desenvolver trabalhos fantásticos sobre várias das suas inquietações. Ganhou notoriedade quando foi viver na big apple e se transformou em expoente da pop art.


IMG_2575

IMG_2577Em todos os trabalhos sobressaem um quê de surrealismo, audácia, inovação, modernismo e minimalista que se encontram a sua marca registrada, pontos e bolas.

Nem por isso Yayoi Kasuma deixou de ser atuante politicamente, como demonstrou na carta escrita a Nixon, um primor de denúncia e ironia contra as armas e guerras empregadas no Vietnam.

IMG_2559

kusama20131-399x600Visite a instalação com luzes e bolas, um jardim multicolorido que resume um mundo de criatividade, paixão e obsessão.


sábado, 26 de outubro de 2013

IBOPE: o que leva o consumidor a comprar mais?


IBOPE e-commerce apresenta o perfil e o comportamento do comprador online


Durante o congresso E-commerce Brasil, serão apresentadas também as categorias mais consumidas e alguns pontos de melhoria para o mercado
Um estudo feito este mês pelo IBOPE e-commerce com os internautas das principais regiões metropolitanas do país que participam do painel contínuo de comércio eletrônico, e que representam 80% do consumo do país, mostra que 86% deles já fizeram compras pela internet.

domingo, 20 de outubro de 2013

Redes + relacionamento: Times de primeira na PUC Rio

Redes + relacionamento: Times de primeira na PUC Rio: Com o tema a Gestão da Comunicação na Era das Mídias Sociais como pano de fundo, o professor Fernando Flessati palestrou na PUC R...

Times de primeira na PUC Rio




Com o tema a Gestão da Comunicação na Era das Mídias Sociais como pano de fundo, o professor Fernando Flessati palestrou na PUC Rio para alunos de Comunicação Social. Após o evento, coordenado pela professora Marilene Lopez, houve um debate sobre as estratégias viáveis para empresas que já são usuárias as redes e as que pretendem usar as redes sociais





Palavras chaves, Relevância, Tags & key words

Redes Sociais, Mídias Sociais, Pós-graduação, Profissão, MBA, Mestrado, Facebook, LinkedIn, Instagram, Relacionamento, Pós, Fernando Flessati, FACHA, Telson Pires

Postagens populares